Videos de Dança do Ventre

Loading...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Estágio Inesquecível!!!!

As combinadinhas!!!

Estágio Inesquecível!!!!

Cansada e feliz
 Mesmo estando cansadas, os não desanimamos.

 Ela queria sair na foto a qualquer custo...
 E não é que saiu.KKK. LIdi você é mara!
 Que Fofa!Graci parece uma barbie!Lindaaa!
 KKK, até as sandálias eram iguais.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Algumas imagens dos melhores momentos do estágio.INESQUECIVELLLL!!!!!!

Quanta mulher bonita!!!
Foram tantos os flashs que não sabiamos para onde olhar.PS: só eu e Kelly olhamos na direção certa.kkk
 As oficineiras mais fashion do momento.KKK.Só no estilo.

A melhor amiga que já tive de verdade nessa vida. Te amo demais Lari! Você me completa!

domingo, 24 de outubro de 2010

A oficina foi 10!!!

 Elas prestavam atenção mesmo.
 As meninas do ladinho,kkk!!!


 Leide deu um show durante a oficina.Aplicadissima!

 A pró ajudando a corrigir a postura.
 Só no balanço!!UHUUU!!

 Obrigado meninas por todo carinho que vocês nos deram!
 Larissa e algumas das meninas.
Sidinha e as pupilas.

sábado, 23 de outubro de 2010

Oficina de Dança do Ventre na escola Yeda Barrradas

Dança do Ventre como linguagem corporal.

Analisando a figura feminina dentro da sociedade moderna podemos observar que este sujeito encontra-se por muitas vezes descrente do seu poder encantador e longe da sua essência de mulher. È pensando justamente no resgate dessa essência feminina que a dança do ventre vem auxiliar nesse processo.

Entendemos que a Dança do Ventre resgata a essência feminina e como contexto sociocultural em que a mulher está inserida constrói os seus valores ideológicos capaz de leva - lá à busca de descobertas. A dança através de sua linguagem corporal, surge para construir um “campo energético” por intermédio de sues movimentos corporais que desbloqueiam e liberam emoções resgatando a essência feminina que por muitas vezes é reprimida pelo estresse do cotidiano da modernidade.
Por trabalhar a relação íntima entre movimento e emoção, desperta uma linguagem corporal espontânea. A prática da Dança do Ventre, também pode ter efeito tranquilizante e antidepressivo para a mulher.É um caminho infinito, que não leva senão a um destino tão próximo quanto desconhecido: o nosso próprio  Ser 


Ela também pode ser usada como uma forma de linguagem onde a mulher é capaz de dialogar  com outras mulheres através dos movimentos dessa dança.
No início da oficina as alunas do EJA estavam envergonhadas, com receio de participar do projeto, além disso tivemos que ajudar construir uma consciência sobre o verdadeiro objetivo da dança que é o conhecimento do corpo e a descoberta da sua essência de mulher, pois algumas acreditavam que a dança fosse voltada apenas para o sexo.
Procuramos esclarecer que para ser sensual a mulher não precisa ser vulgar.
Vivenciamos momentos prazerosos em torno da dança do ventre relacionar as experiências pessoais de cada uma na busca da sua própria identidade,conseguimos também desenvolver nelas a habilidade de manifestar suas emoções através do corpo .

A musculatura do corpo codifica emoções e as simboliza em sua linguagem corporal. Logo são funções da dança: representar uma idéia em movimento; emocionar e fazer o outro sentir o que é transmitido através do corpo é uma arte; dominar a expressão corporal ;Controlar a postura e os movimentos, sentir os intuitos da música, são elementos de um mesmo processo: linhas em movimento no corpo são capazes de emocionar
Ao final da oficina percebemos que elas já encontravam-se mais seguras e conscientes enquanto mulher, no final todas puderam ter a certeza de que elas são mais do que simples mulheres, são a partir de agora "DEUSAS".
O nosso grito de guerra durante esses dias foi justamente esse de que nós somos capazes de tudo o que quizermos ser ou fazer e tudo isso porque com a ajuda da dança do ventre nós somos "DEUSASSSS!



Obrigada meninas pelo imenso carinho!


.



quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Para as balarinas fiéis!

Prece

"Dançar é minha prece mais pura
Momento em que meu corpo vislumbra o divino,
Em que meus pés tocam o real
Religiosidade despida de exageros
Desejo lascivo, bordado de plenitudes
Através de meus movimentos posso chegar ao inalcançável
Posso sentir por todos os corpos, abraçar com todo coração
E amar com os olhos
Cada gesto significativo desenha no espaço o infinito
Pairando no ar compreensão e admiração
Iniciar uma Prece é como abrir uma porta
Um convite à VOCÊ, para entrar em meu universo
O mágico contorna a minha silhueta ao mesmo tempo
Que lhe toco sem tocar nada à observar, só à participar
Esta prece ausente de palavras
É codificada pela alma
E faz-nos interagir de maneira sublime e hipnótica
Quando eu terminar esta dança
Estarei certa de que não seremos os mesmos."

Merit Aton

O que é leitura musical?

Leitura Musical é: a maneira como a bailarina 'lê' a música com o seu corpo.No caso, a 'leitura' é a maneira como a bailarina entende que o movimento pode ser 'aplicado' à música.
Diz respeito a ouvir a música e tentar traduzí-la em movimento.
As bailarinas americanas, principalmente a trupe do
IAMED trabalham muito com essa didática. Elas definem o que fazer quando o som é grave ou agudo. Traduzem, por exemplo, sons agudos com acentos de quadris super definidos, e graves com movimentos arredondados.
Algumas professoras brasileiras, falam em movimentos 'líquidos' ou 'secos'.
Depende da velha questão de nomenclatura, mas a idéiá é a mesma.

Leitura Musical item essencial no aprendizado da bailarina, porque ela se refere a como aplicar a técnica.De nada adianta ter uma super técnica, movimentos precisos e grande variedade de passos, se você não sabe em quais momentos usar isso na música.

Isso é fundamental para qualquer bailarina.

Mú8sca Arábe

Música Arábe

Há basicamente cinco estilos diferentes de música árabe para a dança do ventre: músicas modernas, músicas folclóricas, músicas clássicas, solos de percussão e taksin.É importante que a bailarina de dança do ventre conheça as diferenças entre as músicas e saiba identificá-las, para não realizar danças em músicas inadequadas.E depois é importante que ela acompanhe com seus movimentos as marcações musicais, gerando assim uma sintonia entre o que se ouve e o que se vê, ou seja, causando assim a impressão de que os sons são emitidos pelo próprio corpo da bailarina.As músicas modernas geralmente são lineares, não oferecendo grandes mudanças. Costumam apresentar um ritmo só do início ao fim, e o mais comum é o ritmo said, embora às vezes possa ter também o baladi e o malfuf. Geralmente elas são cantadas.

Beneficios da Dança do Ventre.

A Dança do Ventre traz números benefícios para o corpo da mulher, além de ajudá-la a se sentir mais bonita é claro.Esses benefícios podem ser tanto do ponto de vista psicologico, corporal quanto estético.Vejamos:
Uma aula de Dança do ventre pode auxiliar no processo de emagrecimento,uma vez que durante as aulas  queima-se muitas calorias.A dança também ajuda a tonificar e a enrijecer a musculatura do corpo(abdômen,pernas, braços, costas e glúteos.)
Ao fazer DV a mulher trabalha as articulações, aumenta e ative sua circulação sanguínea sem falar na melhora do seu condicionamento fisíco, resistência, aumento da sua flexibilidade, coordenação motora e reeducação postural.
Além dos beneficios pro corpo a dança também traz beneficios para alma, pois a mulher passa a se cuidar mais, a preocopar-se com o seu corpo.Ela passa a perceber as suas qualidades e acaba por descobrir suas potencialidades.A dança ajuda a desenvolvera alto estima, aflora a feminilidade, a mulher torna-se mais sensual, mais bela.Alivia o stress do dia-a-dia.
Com a dança do ventre a mulher aprende a deixar a timidez de lado e se descobre como ser encantador, ela descobre o seu lado deusa.

Com a dança em nossas vidas deixamos de ser mulheres comuns para nos tornarmos deusas.( ainda que de nós mesmas.)

Movimentos básicos da Dança do Ventre

1.Movimento de dança do ventre “pequeno círculo”

Gire o seu o quadril no sentido das agulhas do relógio encolhendo o ventre (ser projetado para frente) mantendo quadris no seu lugar, sem jogá-los para trás ou para os lados.Agora, faça o movimento em sentido contrario às agulhas do relógio.
2.Movimento de dança do ventre “médio circulo”
Sem alternar os joelhos projete o quadril para frente, lado, atrás outro lado, reproduzindo um pequeno círculo.

3.Movimento de dança do ventre "grande circulo”

Este movimento é igual ao anterior, porém a projeção para trás é maior.Você poderá projetar o tronco para frente enquanto o seu quadril vai para trás. Preste atenção nos detalhes das suas, mãos, elas devem estar delicadas e bem delineadas, para acompanhar este movimento.

4.Movimento de dança do ventre do “oito para frente.”

 Coloque o seu quadril para o lado e torça levemente para frente, leve o quadril para o outro lado, (sem levantar o seu calcanhar), desenhando um oito. Você tem que sentir que uma figura da forma de um oito é desenhada no espaço com o seu quadril).
Cuidado com os seu joelhos!.Recomenda-se que permaneçam flexionados.A postura é fundamental em qualquer passo da dança.

5.Movimento de dança do ventre “oito egípcio ou oito para trás”

Este movimento de dança do ventre difere do anterior somente em que você torce o quadril para trás. Trabalhe visualização, servirá como estimulante para este momento. O desenho do oito no espaço deverá sair completo e bem delineado.Lembre que o tronco deverá estar sempre imóvel e de frente. Coloque-se na frente do espelho, prestando atenção nos pequenos detalhes. São estes pequenos detalhes que dão seu estilo próprio à dança do ventre.

6.Movimento de dança do ventre “oito maia para cima”.

Leve o quadril para o lado em seguida para cima levantando suavemente o calcanhar, pois esse poderá subir um pouquinho para auxiliar.Lembre-se, a dança não é dos pés e joelhos, por isso atenção nesse detalhe muito importante.Quanto menos movimentos de pés e joelhos, mais limpos serão os seus passos na dança do ventre.

7.Movimento de dança do ventre “oito maia para abaixo.”

 Elevando o seu quadril para cima e em seguida leve para o lado descendo o calcanhar lentamente (lembre-se de que já foi dito acima). Suba ou outro lado e leve o quadril para fora, mesmo lado que você subiu. Esse oito é o contrário do outro. Um oito se faz para cima e o outro para baixo. Às vezes confunde, mas não desista! Saíra com o tempo.

8.Movimento de dança do ventre “camelo para abaixo”

Pernas afastadas e levemente flexionadas (quase como na posição oriental, porém a perna de trás não flexiona). Deixe o seu quadril solto inclinado á frente, projete o bumbum para trás e depois para frente. Pratique até conseguir executar este movimento de dança do ventre de forma cadenciada e suavemente.

9.Movimento de dança do ventre “camelo pára cima”

 Coloque as suas pernas afastadas e deixe os seus joelhos relaxados (como no exemplo acima). Solte o seu quadril e projete-o à frente. Neste movimento de dança do ventre encaixa-se o quadril deslocando-o para trás com o abdômen encolhido. Você leva o peso do seu corpo para trás. Relaxe quando o peso estiver no calcanhar.


10.Movimento de dança do ventre de “ondulação”

 Enche-se primeira a parte superior da barriga empurrando, o ar para baixo de uma forma contínua sem mexer o tronco.Este movimento também pode ser feito de baixo para cima. Este movimento simboliza o parto ou o ato de dar a luz. Há também uma respiração rápida na barriga, produzindo um tremido, Tem se denominado, este movimento, com o nome de respiração cachorrinho.

11.Movimento de dança do ventre de “batida lateral”

 Transfira o peso de um lado para o outro do quadril, produzindo batidinhas (como a que usamos para fechar a porta do seu carro) para os lados. Lembre-se, não eleve o quadril, a batida é para o lado e não para cima.


12.Movimento de dança do ventre de “shimie”

 Neste movimento clássico da dança do ventre você produz batidas com o seu e quadril de forma contínua e rapidamente para cima.

13.Movimento de dança do ventre de “tremido de quadril”

 Flexione os seus joelhos levemente e alterne-os rapidamente, produzindo um tremor em todo o corpo com ênfase na barriga. Algumas dançarinas preferem provocar o “tremido do quadril” usando a contração nas pernas. Elas acham que o resultado flui com mais facilidade. Faça você mesma o teste e verifique qual é sua preferência. Existem vários tremidos, este é um tremido básico.


14.Movimento de dança do ventre de “tremido de peito”

 Chacoalhe rapidamente os ombros de um lado para o outro. Todos os movimentos que envolvem peito e busto devem ser feitos com cuidado para não vulgarizar a dança.
Atenção para as dançarinas!!! A dança do ventre pode no máximo ser considerada sensual, porém muitas pessoas não a consideram assim, de forma sexual.
Por isso a valorização dos movimentos é muito importante !!!!. Não vulgarize a dança do ventre, nem o que ela têm de belo e precioso. A dança do ventre antes de tudo é um grande ritual. Um ritual à Deusa e Deuses, principalmente à Deusa.

15.Movimento de dança do ventre “egípcio básico”.

 Em posição ereta coloca-se uma perna em frente à outra. Sua perna da frente fica sempre em meia ponta alta, a sua perna de trás pode estar semi-dobrada. Então, sobe-se o lado do quadril que tem a perna à frente, baixa, sobe e chuta com o pé (ou não).Pode ser feito lenta ou rapidamente.Há variações deste movimento de dança do ventre para acompanhar os ritmos, como subindo e descendo o quadril sem chutar, etc.

16.Movimentando seu peito e o seu busto “oitos, arcos, círculos, letra s”

 É possível fazer vários desenhos com os seios, as vogais, o oito na vertical e horizontal, arcos, círculo e a letra "s". Não mexa os ombros. Lembre-se que este movimento de dança do ventre é realizado com os músculos peitorais.

17.Movimento de dança do ventre de “pescoço”.

 É o movimento que se faz com a cabeça deslocando-a para um lado e para o outro ou ainda produzindo um círculo. Nem sempre se obtém resultados imediatos. Persevere.

18.Movimento de dança do ventre de “twist”

 Coloque uma perna em frente da outra. Transfira o peso do seu corpo para a perna da frente, depois para a perna de trás Quando for à frente,  faça uma torção (movimento de rotação) leve para dentro.

Dança do Ventre uma arte milenar!

A sua Origem...

 

         Muita polêmica e incerta é a origem da Dança do Ventre. Ao pesquisar sua origem sempre se chega à seguinte conclusão: “Não há registros concretos que provem com exatidão e clareza, a origem da Dança do Ventre”. Em decorrência disso, dissertaremos baseadas em hipóteses e, ao mesmo tempo, em certezas. 
         No princípio, “os nomes reais” da Dança do Ventre eram:
-         Dança Oriental, conhecida pelos orientais e nos países árabes. Todavia, o nome não é mais utilizado porque o termo ORIENTAL também designa países como Japão, China, que não fazem parte do contexto aqui mencionado.
-         Racks el Chark, que significa Dança do Leste, local onde o sol nasce. É o oposto de tudo, desconhecido, pouco claro, em decorrência da noite, da escuridão. O Sol também é o alimento e a fonte de energia para tudo e todos.
 
         O nome “Dança do Ventre” foi dado pelos Franceses para aquela dança na qual “a bailarina mexia o estômago e o quadril de forma voluptuosa, ao som de ritmos orientais”.
A Dança é uma das mais belas e antigas artes, pois através dela, o homem passa a perceber o seu corpo de maneira instintiva.
            Há mais ou menos 12.000 anos, antes, inclusive, do antigo Egito, numa época remota, já existiam danças ritualistas feitas para algumas finalidades.
            Havia, por exemplo, a dança da fecundidade, em que as mulheres ao redor das fogueiras –símbolo de luz e alimento para os primitivos -, balançavam o quadril, pulsavam o ventre e contorciam-se como serpentes, em louvor à Deusa-mãe. Existiam, também, danças com sacrifícios para oferendas, rituais culturais, funerais etc; feitos por tribos bárbaras e nômades, dos desertos.
            No Antigo Egito a Dança Ritualística tinha um caráter Sagrado, intimamente ligado à história e aos costumes. Viver no Vale do Rio Nilo equivalia estar destinado a uma rotina e geografia extremamente simples. Para os egípcios, tudo estava baseado e apoiado na hierarquia de seus Deuses e suas crenças.
            Assim sendo, Sacerdotisas Egípcias costumavam usar movimentos ondulatórios e batidas do ventre e do quadril para reverenciar Deuses como Ísis, Osíris, Hathor. Além disso, acredita-se que estes movimentos estavam associados à fertilidade, sendo praticados em rituais e cultos em Templos, homenageando a grande mãe pelo seu poder de dar e manter a vida.
            Com a invasão dos árabes no Egito, e uma série de migrações em um período conturbado de guerras, a Dança do Ventre passou a ser conhecida por outros povos, que a adquiriram para a sua cultura e modificaram-na de acordo com suas crenças e desejos.
            A primeira modificação foi a perda do caráter religioso. Por isso é tão difícil e complexo falar sobre esta dança que, devido ao seu histórico, em cada país possui um sentido e uma tendência.
            A Dança do Ventre tem seguido um processo evolutivo e tem sido praticada em inúmeros tipos de cenários como, palácios, mercados, praças e até em bordéis. A sua história acompanha a da humanidade, e deste fato não se pode fugir. Ela promove uma ligação direta entre o folclórico, o improviso e a imaginação individual de cada bailarina; um equilíbrio entre a regra e a liberdade de expressar seus sentimentos e movimentos.
            Apesar de toda imensidão que abrange, a Dança do Ventre é conhecida e considerada representante do mundo árabe e está intimamente ligada a sua música e seus ritmos de percussão. Ao contrário do que muitos imaginam, em cada ritmo árabe existe um componente primordial, que é a improvisação.
            Por fim, vale ressaltar os nomes das grandes bailarinas árabes em que, de inúmeras formas contribuíram para a história da Racks el Chark: Tahia Carioca, Nadia Gamall, Sâmia Gamall, Nagwa Fuad, entre outras.
            No Brasil, dentre inúmeros, contamos com dois nomes que, sem dúvida, também contribuíram para a história da Dança do Ventre: Shahrazade, a introdutora do Racks el Chark no País, e Samira, uma das grandes inovadoras e pioneiras da Dança.
            Durante a dança um tipo de exaltação (lí,li,li,li...) é muito comum entre os povos das aldeias e daqueles que vivem nos desertos, também chamados beduínos. É uma espécie de aclamação à bailarina pela beleza de sua dança.
            A verdadeira dança do ventre não deve ser confundida com a imagem publicitária que faz da bailarina um objeto sexual. A sensualidade existe, sem dúvida, mas envolta num clima de magia e misticismo sublimes.
            É uma dança milenar, portanto, tem um peso cultural que merece ser respeitado.
            Após esta viagem histórico-cultural, sejam bem-vindos ao mágico mundo da Racks el Chark.
 
Fontes:
Khan El Khalili

Dança contemporânea outra paixão!

Loading...